Energia do Hidrogénio

Esta forma de energia não está ao alcance de qualquer um. A energia do hidrogénio é a energia que se obtém da combinação do hidrogénio com o oxigénio produzindo vapor de água e libertando energia que é convertida em energia eléctrica. Existem vários veículos automóveis que são movidos a hidrogénio.

Embora não seja uma fonte primária de energia, o hidrogénio constitui uma forma conveniente e flexível de transporte e uso final da energia, uma vez que pode ser obtido de diversas fontes energéticas, como o petróleo, o gás natural, a eletricidade e a energia solar. A combustão do hidrogénio não é poluente pois é produto da combustão da água, além de ser uma fonte de energia barata.

Vantagens da energia do hidrogénio

Podemos enumerar as seguintes como as principais vantagens da utilização do hidrogénio como forma de energia.

  • O hidrogénio é o elemento químico mais abundante;
  • O hidrogénio tem grande densidade energética;
  • O hidrogénio não é tóxico;
  • Os subprodutos de reacção do hidrogénio são regeneráveis;
  • A utilização do hidrogénio causa uma reduzida emissão de gases que provocam o efeito de estufa;
  • Redução da poluição sonora, pois as células de hidrogénio trabalham silenciosamente;
  • Menor emissão de particulas para a atmosfera, como fumos e poeiras;
  • O aproveitamento do hidrogénio como fonte de energia pode trazer desenvolvimento económico, com crescimento e criação de postos de trabalho;
  • É uma forma de energia de grande utilidade a nível dos transportes.


O anfitrião do Microgeração de Energia. Alguém interessado nas Energias Renováveis e na sustentabilidade energética.

Um Commentário “Energia do Hidrogénio”

  1. Francisco Simões

    Dez 05. 2011

    Olá a todos. Quero lembrar-vos de que o Hidrogénio, pura e simplesmente, não é uma fonte de energia. Ao contrário do petróleo e do gás, não existem “poços” de Hidrogénio, e no nosso planeta não existe Hidrogénio livre a não ser em muito pequenas percentagens na atmosfera e nos oceanos. O Hidrogénio aparece sempre ligado a outros átomos, dos quais os mais comuns são o Carbono e o Oxigénio. São bons exemplos disso a água e os chamados hidrocarbonetos que usamos como combustiveis. Tal como o nome indica, hidrocarbonetos são combinações moleculares de átomos de Hidrogénio com átomos de Carbono. No caso da água, é muito simples separar o Hidrogénio do Oxigénio usando electricidade, com um processo bem conhecido chamado electrólise. Mas o grande problema são os rendimentos dos processos fisico-quimicos envolvidos, pois gasta-se sempre muito mais energia do que aquela que se obtêm no final de todo o processo. Na electrólise, uma boa parte da energia electrica usada transforma-se em calor em vez de Hidrogénio. Outro grande mal crónico é o motor de combustão interna que usamos há mais de um século nos nossos carros. Este tipo de motor com cambota, pistons e válvulas, não passa de um gingarelho antiquado e altamente ineficiente, que só consegue aproveitar cerca de 1/3 da energia do combustivel que queima, quer seja gasolina ou o famoso Hidrogénio. Ao contrário disso, o motor electrico tem um excelente rendimento energético de mais de 80%. Podem-se usar células de combustivel para recombinar o Hidrogénio com o Oxigénio do ar, e assim obter electricidade para alimentar um motor electrico. Neste processo o rendimento melhora bastante em relação ao motor de combustão interna, mas ainda assim, tal como na electrólise, na célula de combustivel também se perde muita energia, e tudo somado dá um ainda muito grande desperdíco energético. Agora imaginem uma coisa que devolvesse 98% da energia elétrica que lá injectássemos! Pois é, essa coisa chama-se bateria de Iões de Lìtio. Mas, ainda existe um grande probema: a densidade energética dessas baterias é muito baixa quando comparada com a dos hidrocarbonetos. Um Kg de gasolina, por exemplo , contém varias dezenas de vezes mais energia do que um Kg de baterias de Iões de Lítio completamente carregadas. Isso faz com que um motor a gasolina, por muito ineficiente que seja, consiga uma autonomia muito maior do que um motor eléctrico alimentado com baterias de Iões de Lítio. Agora imaginem que se conseguia criar um tipo de bateria com a eficiência da bateria de Iões de Lítio, e com uma densidade energética muito próxima da da gasólina. Isso resolveria em grande parte o problema da dependência da humanidade dos combustiveis fósseis. Então e se eu vos disser que essa bateria já existe? Pois é, existe mesmo, e chama-se bateria de Lítio-Ar. Essa vai muito provavelmente ser a bateria do futuro, que nos vai fazer rir dos tempos em que tinhamos de importar aquela coisa nogenta, mal cheirosa e carissima chamada petróleo. Mas, e ainda existe um mas, essa bateria ainda tem um pequeno grande problema para ser resolvido: a quantidade de ciclos de carga e descarga, ou seja, a quantidade de vezes que aguenta ser carregada e descarregada ainda é muito baixa. Ao fim de umas 100 ou 200 vezes começa a não aceitar mais voltar a ser recarregada. Então é nesse ponto que se encontra o estado actual da ciência neste momento, na busca pelo sistema de locomoção ideal. A natureza não gosta de nos facilitar a vida, e só com muita massa cinzenta e persistência é que conseguimos ultrapassar os obstáculos que ela nos coloca. Por isso, o Hidrogénio só é mesmo bom é como combustivel de foguetes, mas isso seria outra história ainda mais longa do que esta :-)

Deixe um comentário